Tags

, , , , , , ,

Esse é post é pra você, que se corrói por dentro quando vê Anna Wintour saracotiando por aí com um de seus inúmeros casacos de pele. Não vou dar uma de ecochata, que é minha especialidade, por sinal; pelo contrário. Venho compartilhar com vocês minha opinião: um casaco de pele tem o seu valor. Mas, para isso, não precisamos contribuir para o tráfico ilegal e nem com a matança de animais silvestres. Além disso, a moda está a nosso favor: as peles falsas (sim, tão falsas quanto notas de três reais) estão na mira dos maiores fashionistas do mundo.

Raquel Zimmermann com pele sintética em editorial da ELLE de 2009. Henrique Gendre (arquivo elle)

Um time de grifes investiu no poder dos sintéticos nos últimos desfiles de inverno. A Animale, por exemplo, mostrou um mix de texturas, unindo pele fake, veludo e seda. Já o paulista Reinaldo Lourenço apostou na tendência por meio de golas, capuzes e estolas, enquanto o seu herdeiro, Pedro Lourenço, usou a pele para dar forma a maxicoats. A 2nd Floor combinou a pele as sensuais transparências.

2nd Floor, Reinaldo Lourenço e Pedro Lourenço

Como usar

Antes de se jogar na tendência, estejam atentas a volumes e proporções. Casacos e coletes devem ser usados com blusas e calças ajustadas para manter o equilíbrio do look.

lookbook.nu

Apostem na trend, pois ela deixa qualquer look com um ar glamouroso e faz o papel fundamental de aquecer (assim como uma pele verdadeira) e te deixar na moda. Além disso, contribui com o meio ambiente.

O tecido sintético é muito parecido com o verdadeiro e tem um preço bem mais acessível. Afinal, pra que sacrificar a vida de um animal para confeccionar uma roupa que pode ser feita de tantas outras maneiras?

Quem usa